Governo Tarso: Artigo de Neiva Lazzarotto

Tarso e a Educação

Em um aspecto concordamos com o artigo do governador Tarso Genro, publicado na Zero Hora desta segunda-feira: o “déficit zero” de Yeda foi uma farsa e “o Estado enfrenta mais dívidas monetárias e sociais do que antes”. Mas Tarso dedica seu artigo a sustentar a tese de que a situação financeira do Estado é de “desordem financeira estrutural”. Aí divergimos.

Ao que Tarso chama de “desordem financeira estrutural” dizemos que são opções políticas dos governantes. Essas opções foram políticas deliberadas de enfraquecimento das funções essenciais do Estado, ou seja, de prejudicar a maior parte da população – os pobres e os trabalhadores. Aliás, esse processo de desmonte do Estado brasileiro já tem seus 40 anos.

Em consequência dessas opções políticas, a educação pública gaúcha, sim, vive uma profunda crise. Escolas de lata, arrocho salarial, laboratórios fechados, bibliotecas precárias, falta de professores e funcionários, 12 mil aposentadorias em três anos, milhares de colegas abrindo mão de receber (em média) R$ 45 mil para receber parcos R$ 10 mil por optarem pelas RPVs. Só um cego para não ver!

Para inverter essa lógica é preciso investir mais em educação e alterar sua trajetória decadente. Seria bom se Tarso, assim como a presidente Dilma, ouvisse o Ipea, cujos estudos recentes revelam que, ao gastar R$ 1,00 em educação pública, o PIB aumentará em R$ 1,85, enquanto com os juros da dívida, apenas R$ 0,71.O que queremos saber, então, do nosso governador é se, para reverter esse círculo vicioso, tomará a decisão política de enfrentar alguns temas que são elementos estruturantes das finanças públicas.

1. O que o governador vai fazer em relação às desonerações fiscais (impostos dos quais o governo abre mão), cujas estimativas para 2011 são da ordem de R$ 11,4 bilhões?

2. O que o governador vai fazer em relação à dívida com a União, que segundo dados da Fazenda está estabelecida em R$ 35,5 bilhões para 2011?

3. O governador vai usar o limite máximo que a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) lhe permite para pagamento de pessoal, já que os governos deixaram de gastar entre R$ 1 bilhão em 2006 a R$ 2,1 bilhões em 2010?Dependendo das respostas a esses questionamentos, nosso governador dará mostras das suas escolhas. São decisões políticas. E cabe, mais uma vez, dizer que depende da vontade política do governante. A educação tem pressa!

Artigo de Neiva Lazzarotto, Vice-Presidente do CPERS, publicado em Zero Hora no dia 17 de Março de 2011.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Fora de Pauta com as etiquetas , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s