Literatura: Simone de Beauvoir

Uma descoberta e tanto

Já contei em posts anteriores que “descobri” o Existencialismo recentemente, através de Albert Camus, autor das minhas duas últimas leituras, “O Estrangeiro” e “A Peste”. Logo depois de ler o estrangeiro fui na biblioteca da minha Universidade procurar algumas coisas sobre o existencialismo. Cheguei, obviamente, à Sartre e Simone de Beauvoir.

Pois bem, escrevo hoje este post para compartilhar outra grande descoberta. Trata-se de Beauvoir au jour le jour, blog dedicado às leituras beauvoirianas, compartilhadas na rede em deliciosas “doses diárias”. Doses estas que simplesmente quadruplicaram o já existente interesse desta blogueira que vos fala em ler Simone de Beauvoir. Apesar do nome chique, o blog é escrito no bom e velho português, tá? Fiquem tranquilos.

Compartilho abaixo um post do Beauvoir au jour le jour chamado “A questão do aborto”, motivado pela nossa última e exdrúxula campanha presidencial. É um artigo muito bacana que traz o debate do aborto na obra de Simone, com um detalhe a mais: Simone foi signatária do famoso Manifesto das 343, publicado em 1971 pelo Nouvel Observateur. O manifesto eu conhecia, mas não sabia do seu envolvimento.

Curtam aqui um trechinho do post:

A Questão do Aborto

A utilização estratégica da questão do aborto na campanha presidencial de 2010 me fez adiantar este post. Achei pertinente falar sobre Simone de Beauvoir e esse tema, porque ela foi uma das principais intelectuais do século XX a enfrentá-lo publicamente. Além disso, tenho certeza de que minha posição a favor da descriminalização do aborto (meus motivos estão aqui) foi construída de forma consciente porque muito cedo tive contato com as ideias de Simone.
Em 5 de Abril de 1971, o Nouvel Observateur publicou um manifesto assinado por Simone de Beauvoir que ficou conhecido como o “Manifesto das 343″. No documento, ela, Marguerite Duras, Françoise Sagan, Catherine Deneuve e Jeanne Moreau, entre outras, admitiram ter feito aborto ilegal e exigiram que o governo francês garantisse às mulheres o direito à contracepção gratuita e ao aborto legal. O documento foi um escândalo, as mulheres que ousaram colocar seu nome ali foram humilhadas e destratadas publicamente. De Simone, diziam: ” a mulher que fez mais de 100 abortos”. (…)

Gostaram? Então cliquem aqui e leiam o resto.

Esta entrada foi publicada em Eu li em blog alheio com as etiquetas , , , , , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Literatura: Simone de Beauvoir

  1. Olá, Diângeli. Muito obrigada por falar do meu blog aqui na sua casa, fiquei muito honrada, mesmo. Abraços, Beauvoiriana.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s