Livro – Caim

Caim

Conceito: 4

Gênero: Versão crítica da Bíblia

“Imagina o orgulho, o prestígio, o crédito que noé ganharia aos olhos do Senhor se conseguisse convencer um desses animais a entrar na Arca, de preferência o Unicórnio, supondo que o consiga encontrar uma vez. O problema do Unicórnio é que não se lhe conhece fêmea, portanto não há maneira de que possa vir a reproduzir-se pelas vias normais da fecundação e da gestação, ainda que, pensando melhor, talvez não o necessite, afinal, a continuidade biológica não é tudo, já basta que a mente humana crie e recrie aquilo em que obscuramente acredita”

“Está visto que a Guerra é um negócio de primeira ordem, talvez seja mesmo o melhor de todos a julgar pela facilidade com que se adquirem do pé para a mão milhares e milhares de bois, ovelhas, burros e mulheres solteiras, a este senhor terá de chamar-se um dia deus dos exércitos, não lhe vejo outra utilidade, pensou Caim, e não se enganava”

Em “Caim” José Saramago reconstrói os passos de Caim após matar seu irmão Abel e ser condenado pelo Senhor a peregrinar sem rumo pelo mundo, até o fim dos seus dias. Caim, com a marca de Deus na testa, segue sua viagem sem fim em cima de um burro e testemunha de perto os episódios mais importantes do Velho Testamento, narrados com muito humor e a ironia ácida que consagrou o autor como um dos mais importantes escritores em língua portuguesa do mundo.

Comentário: Este é o último livro que José Saramago escreveu e o primeiro dele que eu li (confesso). Eu tentei ler “Ensaio sobre a Lucidez” depois que uma amiga minha (a Bruna) me indicou mas eu tava numa época mais acelerada da minha vida e eu não consegui me adaptar com o ritmo do Português de Portugal + ausência de regras e vírgulas do Saramago. Achei a leitura trancada, mas agora definitivamente peguei o jeito e não pretendo ficar por este primeiro.

O livro é curtinho (172 páginas) e divertidíssimo, arranca várias risadas do leitor. Mais do que recomendado para ateus e não-ateus. Não deixem de conferir.

PS: Fiquei viajando no significado na figura que escolheram para ser capa do livro aqui no Brasil. A arte em questão é uma colagem sobre madeira, do acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Minha teoria é que a gravura representa a marca que Deus fez na testa de Caim, da mesma forma que no centro da figura há uma área mais intensa, em vermelho, “marcando” a imagem. O que vocês acham?

Leia também: O Livro das Mentiras

Esta entrada foi publicada em Eu li: Ficção com as etiquetas , . ligação permanente.

2 respostas a Livro – Caim

  1. Juju diz:

    Vou ler Caim! Me convenceu!

  2. dsoares08 diz:

    Juju!
    Que prazer a sua presença neste humilde blog!
    Não vai se arrepender de ler Caim. Depois me conta!
    Beijocas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s