Honoráveis Bandidos

Honoráveis Bandidos

Conceito: 3

Categoria: Jornalismo & Política

No centro de São Luiz, dois do povo conversam:

“Qual a pior coisa do Maranhão?”

“A Família Sarney.”

“Qual a melhor coisa do Maranhão”

“Ser da Família Sarney”

Este é um livro do jornalista Palmério Dória, escrito com colaborações do também jornalista Mylton Severiano, ambos da Revista Caros Amigos (da onde saíram em 2009). Quem leu a reportagem sobre o Sarney na revista logo depois da sua vitória para a presidência do Senado, já teve uma boa prévia do livro. Ele parece uma extensão daquela reportagem e a linguagem é a mesma das melhores matérias da Caros Amigos. Li numa entrevista que o Palmério Dória segue um método de escrita chamado “onírico-dialético”, criado por um jornalista que foi diretor da Inter Press Service, uma agência que nos anos 70 reunia Gabriel Garcia Marques e Eduardo Galeano na sua redação.

O livro tem como fio condutor a cabeça do Sarney. A história começa no dia 02 de fevereiro de 2009, data em que o Coronel com 50 anos de vida pública volta a ser Presidente do Senado. Na platéia, as pessoas aplaudem, mas o ar do Coronel é consternado. Roseana chora. Tudo isso porque naquele mesmo momento o filho, Fernando Sarney, principal alvo da Operação Boi-Barrica, está sendo caçado pela Polícia Federal. A partir daí, e recorrendo sempre à esse momento, o autor começa a apresentar a história de José Sarney, desde a época em que se chamava José Ribamar até o momento em que, dirigido por ele, o Senado vive a sua maior crise de credibilidade.

“Honoráveis Bandidos”, como explica Mylton Severiano, é uma expressão cunhada por Karl Marx para descrever pessoas que “de tempos em tempos afrouxam as fibras do chamado tecido social” e “conseguem sentar nas cadeiras mais insuspeitas, dignas das pessoas mais honradas” levando “gente honesta a ter vergonha de ser honesta”. Não sobra pra muita gente: Além da família Sarney, o livro tem bastante do Renan Calheiros, do Maluf, do Fernando Collor, do Agaciel Maia, do Michel Temer (isso mesmo, o Vice da Dilma) e até do Silvio Santos. Tráz de volta escandalos notórios dos anos 90 (Anões do Orçamento, Escândalo da Gráfica do Senado, Massacre de Eldorado do Carajas, Confisco das Poupanças pelo Collor), explica em detalhes a construção do poder da “Famiglia”, um tripé que envolve Energia, Terra e Comunicação e ensina muito da história do Maranhão. Por exemplo, você sabia que no século XIX o Maranhão já tinha uma José Sarney de saias, chamada Ana Jansen? Que a política de terras do Sarney inverteu o fluxo migratório do Maranhão, provocando uma grande diáspora de pequenos agricultores (muitos dos quais foram os que morreram em Eldorado do Carajás)? Sabe direitinho como foi o golpe judiciário que derrubou o Jackson Lago? Tudo isso e mais um pouco tá lá, no livro do Palmério Dória.

Acho que o livro é um bom lazer e um bom estudo sobre o Brasil moderno. Leitura rápida e produtiva.

Esta entrada foi publicada em Eu li: Política com as etiquetas , . ligação permanente.

3 respostas a Honoráveis Bandidos

  1. babington diz:

    empresta preu ler didi

  2. dsoares08 diz:

    Ta na mão o livro do Sarney Babi! Qdo eu for pra porto eu te levo ele sem falta! Alias, se tu quiser tipo assim, dar uma lida tb o Manifesto do Partido Comunista, tu resgata ele lá no maneco e me devolve também hahahah!
    Beijos

  3. babington diz:

    esse eu tenho já. e contato com o maneco tá meio difícil por agora, neh…

    bejoo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s